Avaliação da função motora, equilíbrio e risco de quedas de indivíduos pós acidente vascular encefálico e sua correlação com a independência funcional e a percepção de qualidade de vida

  • Nathália Rodrigues Inácio
  • Thais Aparecida Silva
  • Heloisa Freiria Tsukamoto

Resumo

Introdução O acidente vascular encefálico (AVE) frequentemente acarreta alterações motoras que afetam a função do sobrevivente, com aumento da dependência para atividades de vida diária (AVDs) e ruptura na interação social, resultando em prejuízos sobre a qualidade de vida (QV). Objetivo Avaliar o desempenho físico, equilíbrio postural e risco de quedas em indivíduos após AVE e verificar a existência de correlações das variáveis com a autopercepção
de QV e independência funcional. Métodos Trata-se de um estudo transversal, com abordagem quantitativa e amostra composta por 12 pacientes pós-AVE. Foram utilizados: Protocolo de Desempenho Físico de Fugl-Meyer (FM); Escala de Equilíbrio de Berg (EEB); Escala de Eficácia de Quedas Internacional
(FES-I); Stroke Specific Quality of Life Scale (SSQOL); Índice de Barthel modificado (IBm). Os dados foram analisados no programa estatístico SPSS. Adotou-se p<0,05. Resultados Dos 12 participantes do estudo, sete (58,3%) eram mulheres, com média de idade de 61 anos (±15,7). O hemicorpo afetado era o esquerdo
para oito (66,7%) pacientes e o tipo de AVE, hemorrágico para sete (58,3%). As médias das pontuações foram: FM=142 pontos (±42,3), EEB=35,1 pontos (±18,8), FES-I=37,9 pontos (±11.5), SSQOL=157,2 pontos (±36,1) e IBm=40,4 pontos (±4,4). Encontrou-se correlação forte entre SSQOLxEEB (r=0,76;p=0,004) e SSQOLxFES-I (r=-0,93;p<0,001) e correlação moderada entre SSQOLxFM (r=0,63;p=0,028) e SSQOLxIBm (r=0,65;p=0,021). Conclusão Observou-se que o AVE
acarreta prejuízo sobre a QV dos indivíduos do estudo, sendo mais evidente quando existe maior limitação dos movimentos. Porém, apesar da limitação física, a maior parte dos indivíduos apresentou dependência ligeira ou moderada, mostrando que com o passar do tempo, ocorre adaptação para realizar as AVDs de forma independente.

Publicado
2018-04-23
Como Citar
INÁCIO, Nathália Rodrigues; SILVA, Thais Aparecida; TSUKAMOTO, Heloisa Freiria. Avaliação da função motora, equilíbrio e risco de quedas de indivíduos pós acidente vascular encefálico e sua correlação com a independência funcional e a percepção de qualidade de vida. Revista Terra & Cultura: Cadernos de Ensino e Pesquisa, [S.l.], v. 32, n. 62, p. 73-83, abr. 2018. ISSN 2596-2809. Disponível em: <http://periodicos.unifil.br/index.php/Revistateste/article/view/22>. Acesso em: 25 out. 2020.
Seção
Artigos